Alinhamento com Sião

Se você não leu o artigo da semana passada de introdução a esse assunto, não deixe de conferir o que você perdeu!

Dizer a uma pessoa que o fato de ela não ser curada é sempre sua própria culpa, até no caso de acidentes trágicos e morte, é um ensino errado, na nossa opinião. De fato, é possível que alguém não seja curado por não ter edificado uma fé sólida pela Palavra de Deus, mas também pode não ser por isso. A qualquer momento, a pessoa pode se arrepender, buscar a Deus e mergulhar na Palavra. É claro que, se ela teve fé de acordo com Marcos 11.24, obterá o que pediu. Contudo, ninguém pode determinar plenamente que terá esse tipo de fé. Ela tem de ser concedida por Deus. Então, preferimos falar sobre o que é possível fazer para maximizar o potencial da cura e para descansar em Deus se a cura não vier.

  1. Em primeiro lugar, aconselhamos os irmãos a se colocarem nas mãos de Deus e se submeterem a ele como Senhor. Eles devem confessar todos os pecados conhecidos, maldições, amargura, falta de perdão e maldições geracionais que podem não ter sido renunciadas no início do nosso discipulado. (Isso é sugerido pela carta de Tiago.)
  2. Em segundo lugar, devem participar da Ceia do Senhor. Ela possui poder de cura.
  3. Eles devem chamar os presbíteros para ungir com óleo e orar pela cura divina. (Tiago)
  4. Devem focar suas mentes em seu destino na vida eterna e na Era Por Vir e ser totalmente entregues à Esperança do seu destino final. Dessa forma, eles derrotam o medo da morte.
  5. Eles devem meditar na bondade de Deus e do Messias e nas promessas bíblicas de cura divina para dar oportunidade a Deus de conceder a fé a favor da cura. Então, há algo que podemos fazer, mas isso não nos garante a certeza absoluta da cura. Entretanto, podemos maximizar as oportunidades para desenvolver a fé receptiva.
  6. Eles devem aproveitar as oportunidades dirigidas pelo Espírito para participar de conferências, ministérios de cura, etc. Isso deve ser decidido debaixo de oração e de direção do Espírito, sem uma busca frenética por ministérios de cura e conferências.
  7. Eles fazem bem em evitar declarações públicas de que foram curados. Além disso, procuramos evitar que pessoas bem-intencionadas anunciem a cura ou conduzam a congregação a se posicionar com intensidade e de forma absoluta para obter a cura, já que há a possibilidade de se frustrarem com o resultado.
  8. No entanto, também devemos contar com profetas aprovados que podem trazer uma palavra de direção para a situação, de alicerces errados que precisam ser quebrados e outros possíveis pronunciamentos. A situação do meu filho mais novo é um caso em questão. A primeira vez que ele ficou doente, com um ano de idade, de uma doença do coração fatal, os médicos não deram nenhuma esperança e disseram que ele iria morrer. Profetas confiáveis trouxeram uma palavra de que ele seria totalmente curado e se recuperaria. Testemunhamos a mais incrível recuperação sobrenatural. Onze anos mais tarde, quando ele estava sendo mantido vivo artificialmente, à base de aparelhos, organizamos uma oração muito intensa por sua cura. Isso foi confirmado por profetas maduros, mas nenhum deles recebeu uma palavra de Deus de que meu filho seria curado ou ressuscitaria dos mortos. Sendo assim, sabíamos que, embora estivéssemos batalhando, não podíamos nos basear numa palavra profética clara. Apesar de lermos promessas nas Escrituras, Deus não nos deu a fé para ressuscitá-lo.

Então vamos todos orar por cura divina. Vamos fortalecer nossa fé para isso. Quando a doença chegar, vamos primeiro correr para Deus e buscar fé a favor da cura. Vamos orar pela cura enquanto a pessoa estiver viva. No entanto, que possamos reconhecer a soberania de Deus nessas questões e abraçar a Bíblia como um todo e seus ensinamentos sobre esse assunto.

Se alguém tiver paciência para ler um livro acadêmico muito bom, recomendamos fortemente o livro em inglês do Michael Brown, Israel’s Divine Healer.

Print Friendly