Na virada do ano de 2016 para 2017, durante nossa conferência no Brasil, enquanto orávamos, senti o Espírito do Senhor dizendo em meu coração para “retornar a uma nova era dos atos dos apóstolos”.

Por décadas, temos olhado para o livro de “Atos dos Apóstolos” como o padrão para o ministério. Desde 1984, sentimos o Senhor nos direcionando para restaurar uma equipe apostólica judaico-messiânica. No Revive Israel, adotamos Atos 1 como nossa visão principal a fim de concluir o que a primeira equipe apostólica em Jerusalém havia começado. Em Ahavat Yeshua, adotamos Atos 2 como nossa visão principal para a congregação em Jerusalém. Em Tiferet Yeshua, temos abraçado a promessa para que a região metropolitana de Tel Aviv seja salva de acordo com Atos 9 e para que Tiferet Yeshua se torne uma congregação que envie missionários como a de Antioquia em Atos 13. Em Tikkun International, buscamos uma unidade de cooperação com outras redes apostólicas baseado na reunião de apóstolos e presbíteros em Atos 15.

A maioria dos ministérios de restauração olham para o livro de Atos como modelo para sua obra. Mas senti essa palavra de “retornar a uma nova era dos atos dos apóstolos” com um sentido bem diferente: não apenas um padrão, mas uma “era” – como mencionado em 1 Coríntios 10.11: “…de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado.”

Em Atos 2, o Espírito Santo foi derramado por volta do ano 33 d.C. Há evidências de que o apóstolo Paulo tenha sido decapitado aproximadamente em 67 d.C. A cidade de Jerusalém foi destruída em 70 d.C. Apesar de João ter vivido e continuado a escrever até cerca de 90 d.C., o trabalho mais intenso realizado durante o tempo do livro de Atos já tinha sido finalizado. Embora avivamentos apostólicos tenham certamente continuado ao redor do mundo, houve uma janela relativamente curta de tempo pouco depois do ano 30 d.C. e antes de 70 d.C. na qual toda a “atividade” do livro de Atos aconteceu.

Qual era o “fim dos tempos” para Paulo e os outros discípulos? Na geração deles, era a destruição de Jerusalém em 70 d.C. Viria um outro “fim dos tempos” logo antes da Segunda Vinda (provavelmente em nossa geração). Já havia acontecido um “fim dos tempos” anteriormente na destruição de Jerusalém em 586 a.C. e outro antes disso no tempo de Noé (2 Pedro 3.5-10). Haverá ainda mais um no final do Reino Milenar (Apocalipse 20-21).

Yeshua, Pedro, Paulo e João, todos fizeram referência a um duplo “fim”, um em sua própria geração e outro prestes a acontecer nos nossos dias (Mateus 24.3). Por esta razão, há uma sobreposição de profecias quando o assunto é o fim dos tempos. A primeira era dos apóstolos ocorreu logo antes do “fim dos tempos” da sua época. Essa nova era dos apóstolos ocorrerá logo antes do “fim dos tempos” da nossa geração. Ambos envolvem a destruição de Jerusalém.

A primeira Era Apostólica aconteceu pouco depois da ascensão de Yeshua da terra ao céu. Estamos no período pouco antes da sua descida de volta do céu para a terra. Um fator peculiar desses dois períodos de tempo é a sobreposição da Eclesia internacional com a comunidade messiânica em Israel. Antes de 33 d.C., não havia eclésia. Depois de 70 d.C. não havia mais Israel. Durante essa única geração, tanto a eclesia quanto o remanescente messiânico estavam funcionando, um ao lado do outro. Pela primeira vez em 2 mil anos, a coexistência dos dois voltou a existir.

Não sabemos exatamente como calcular essa janela atual de oportunidade. Será que ela começou em 2000 d.C e terminará em 2040? Ou está começando agora em 2017 e terminará em algum momento dos próximos 30 a 40 anos? Não sei dizer.

Contudo, as condições do livro de Atos estão se alinhando novamente como nunca antes na História. O alinhamento entre uma eclésia reavivada e apostólica em todas as nações e um remanescente messiânico reavivado e apostólico em Israel está acontecendo agora pela primeira vez. Não tinha nenhuma chance para que esse alinhamento ocorresse nas gerações anteriores.

Está havendo uma aceleração do relógio para as nações, para Israel, para a Igreja, para as comunicações, para a revelação, para o avivamento, para a perseguição, para o término da grande comissão de Atos 1.18, para o derramamento do Espírito sobre toda a carne de acordo com Atos 2.17 e para a restauração de todas as coisas como descrito em Atos 3.21. O ano de 2017 representa um avanço marcante, um “recomeço” para que as profecias apostólicas e apocalípticas se cumpram.

Print Friendly
By | 2017-02-02T04:22:08+00:00 January 26th, 2017|Tags: , , |0 Comments

Leave A Comment